Conversamos com um especialista em análise de desempenho no FIFA!

Passada a temporada competitiva do FIFA17, entrevistamos Bruno D’Angelo, especialista em análise de desempenho em eSports que auxiliou o pro player Rafifa na análise de seus adversários para a FIWC17. O próprio Rafifa nos enviou um comentário sobre essa parceria:

“Vi o trabalho do Bruno em uma análise do Rocky e achei bastante interessante. Conversamos um pouco e ele se disponibilizou a trazer um compilado sobre meus adversários. O conteúdo me surpreendeu bastante pela sua complexidade. Ele trazia relatórios em texto, melhores momentos, análises em vídeo, ou seja, um verdadeiro trabalho profissional de análise de FIFA, quase como um analista de dados de futebol real. Mesmo com o resultado adverso na FIWC, fico feliz de ter conhecido o trabalho e a pessoa do Bruno”.

Procuramos então saber um pouco mais sobre o novo projeto do Bruno: fifaprogamer.com , além de falar de saber suas expectativas no FIFA competitivo após essa grande crescente no ano de 2017. Confira!

Arte Virtual FC: Bruno, primeiramente é muito bacana te ver novamente trabalhando com o FIFA após alguns anos. Que ares te trouxeram de volta?

R: Valeu e agradeço a parceria de sempre aqui do Arte Virtual FC! Depois que eu saí da edição da liga Brasileira no FIFA e fizemos a fusão do blog ComuFifa (que eu tinha em parceria com o André Ruiz), com o Arte Virtual, acabei me afastando para tocar outros projetos no futebol e fiquei dois anos sem encostar em um videogame. Sempre joguei apenas FIFA e me dedicava bastante ao jogo, lia bastante, competia, escrevia sobre, mas uma hora tudo isso me saturou, já que não via muitas mudanças a cada ano no jogo e comecei a achar bem chato e repetitivo.

A paixão voltou à tona quando resolvi jogar o FIFA17 e vi que o jogo finalmente tinha evoluído em alguns aspectos que me incomodavam, e a inclusão do Futchampions e da Weekend League também foi inspiradora para voltar a jogar, estudar sobre o jogo e acompanhar o que os pro players trazem de proposta atualmente.

Arte Virtual FC: E como foi a experiência de analisar os adversários do Rafifa na FIWC17?

R: O Rafifa curtiu um dos meus vídeos no twitter, batemos um papo e ele se abriu para que eu enviasse informações dos adversários da fase de grupos da FIWC, mas infelizmente em um confronto direto contra o Epsilon Joey, por uma vaga para a fase de mata-mata, ele acabou perdendo e ficando de fora. Foi uma experiência bem interessante e vejo com bons olhos um futuro com os pro players tendo esse respaldo de analistas de desempenho em grandes competições.

Arte Virtual FC: E como surgiu a fifaprogamer.com ?

R: Quando voltei a jogar e consequentemente a estudar novamente o FIFA, especialmente o FUT, e vi a quantidade de amadores que estão querendo crescer e evoluir no jogo para quem sabe um dia chegarem a se tornarem pro players, então tive a ideia de trazer minha expertise no futebol como analista de desempenho, para o próprio game, oferecendo a essas pessoas que buscam um algo a mais no FIFA um serviço de coaching bem direcionado, para que possam rapidamente melhorar em todos os aspectos que envolvem o jogo.   

Arte Virtual FC: Como funciona esse processo de coaching para amadores? Você pode falar um pouco sobre?

R: Resumidamente, aos interessados que se cadastram no site, faço uma série de perguntas para saber qual o nível de conhecimento sobre o jogo (técnico, tático e dos aspectos da mecânica do game), como também para definir sua força mental. Com essas respostas em mãos, avalio também vídeos de jogos competitivos do jogador e ao final consigo fornecer um feedback bem completo dos aspectos que ele precisa aprimorar no seu jogo e/ou comportamento para conseguir mais destaque.  

Arte Virtual FC: Interessante. E voltando ao cenário competitivo, após esse excelente ano de 2017, como você vê o mercado para os Brasileiros daqui em diante?

R: Vejo que com toda a exposição da mídia e o crescimento exponencial que tivemos nas premiações esse ano, especialmente na FIWC, ter sucesso no FIFA competitivo será cada vez mais difícil e acho que será primordial daqui em diante, uma equipe de profissionais competentes ao lado dos pro players Brasileiros que quiserem ter êxito nesses grandes eventos, onde a pressão é enorme. No meu ponto de vista, os jogadores têm que ter uma equipe que saiba prepará-los bem para a competição e que gerencie os seus entornos, para que mantenham o foco e tenham mais chances de vencer.

LEIA TAMBÉM

– EA divulga apenas um trailer em seu primeiro dia na Gamescom

– Confira as faces de Gabriel Jesus, Messi, Giroud e muito mais na beta do FIFA 18

– Confira as faces de Mbappé, Philippe Coutinho, Firmino e muito mais na beta do FIFA 18

– Corinthians vê ‘valorização da marca’ como fator principal para exclusividade com a Konami

– Modo Carreira do FIFA 18 terá cutscenes que lembram o Modo Jornada

– Confira as notas de alguns times da beta do FIFA 18

– Beta revela alguns detalhes sobre o Pro Clubs do FIFA 18

– Vasco é mais um clube brasileiro que ficará de fora do FIFA 18

Vamos sortear um FIFA 18 para nossos seguidores do Twitter. Saiba como participar aqui!

Você pode garantir o seu FIFA 18 para PS4, Xbox One, PS3 ou Xbox 360 na pré-venda da nossa remodelada loja virtual. De acordo com o que foi divulgado na Warner Summit, o FIFA 18 será lançado no Brasil no dia 03 de outubro. Acompanhe todas as novidades aqui no site, no Facebook, no Twitter e no Instagram do Arte Virtual.

 

Entrevistamos o Rafael ‘rafifa13’ Fortes, campeão da etapa de Miami do FUT Championship Series

 

Escrito por Augusto Gaia

Rafael ‘rafifa13’ Fortes foi o campeão da etapa de Miami do FUT Champions, na plataforma Xbox One e posteriormente ganhou o título geral (unificado das plataformas) ao derrotar o campeão do PS4, Lucas Gonçalves. Participante dos torneios do Arte Virtual desde 2011, o carioca de 21 anos, além de jogar FIFA, é estudante de Relações Públicas na UERJ e social media da Coca-Cola Brasil. Rafael é ainda bi-campeão brasileiro e atual campeão da Copa AVFC no PS4. Devido aos seus recentes sucessos no eSport, o convidamos para bater um papo e ele gentilmente aceitou. Você pode conferir toda a entrevista logo abaixo:

AVFC: Desde quando você joga FIFA e qual foi o primeiro torneio que você participou?

RF: Jogo desde o FIFA 09. O primeiro torneio competitivo que joguei foi em 2011 aqui no Rio de Janeiro, um campeonato da LG. Acabei sendo 2º colocado no estado do Rio e 4º colocado nacionalmente. O primeiro título no Arte Virtual foi uma Fast Cup de UT em 2012. Só fui disputar o primeiro torneio oficial da EA em 2014 (FIWC 2014). A EA realizava poucos campeonatos… Parece que eles estão começando a criar mais torneios do fim do ano passado pra cá.

AVFC: Você ganhou a Copa AVFC no PS4, foi o campeão da etapa de Miami do FUT Champions e agora vai disputar a final em Berlim, no fim de maio. O que podemos esperar da sua participação nesse próximo torneio?

RF: Acredito que provei que tenho condições de chegar longe, se jogar o meu melhor. Ninguém esperava que eu fosse campeão em Miami e sei da responsabilidade que irei levar para Berlim, mas as expectativas são grandes para poder representar o Brasil da melhor maneira.

AVFC: O que falta para o eSport, sobretudo o FIFA, se tornar mais bem-sucedido no Brasil?

RF: Apoio das grandes empresas do ramo eletrônico, dos clubes e da produtora, além de mais visibilidade dos meios de transmissão. Nós vemos que muitos outros jogos tem uma visibilidade enorme através de plataformas de transmissão e falta ao FIFA ter esse kickoff para que ao mesmo tempo em que nós, jogadores, fiquemos conhecidos, as empresas comprem a ideia de apoiar os atletas. O meu clube atual, E-Flix, vem com essa ideia de buscar mover toda a cadeia para que todo mundo – clubes, jogadores e público – possam sair satisfeitos no final.

AVFC: Aproveitando que o assunto é Brasil: vários atletas que atuam no país processam a EA por ‘uso indevido dos seus direitos de imagem’. O que acha disso tudo? Você chega a sentir falta de jogar com o seu time de coração totalmente licenciado no FIFA?

RF: Acho realmente uma pena. Pelo que sei, é uma questão muito maior que envolve toda uma classe que busca regulamentar um ponto confuso entre o uso pela EA/clubes/atletas profissionais. No final das contas, quem sai prejudicado é o jogador de FIFA que gosta de jogar com o seu clube de coração.

AVFC: Se você pudesse sugerir alguma mudança para as próximas edições do jogo, o que pediria?

RF: Algum modo para que as pessoas possam acompanhar outras partidas in game, como temos em outros jogos. Isso facilitaria a popularização do modo competitivo, aproximando o grande público aos jogadores profissionais.

AVFC: Digamos que eu queira me tornar um jogador profissional de FIFA. Quais passos devo seguir? Quantas horas devo treinar por dia?

RF: Procurar se inteirar em todos os campeonatos de alto nível organizados por sites como o Arte Virtual e também os oficiais da EA, como é o FUT Champions. Você só irá se tornar o melhor se jogar com os melhores, então é necessário sempre jogar no mais alto nível. Em relação às horas de treino, depende muito da rotina de cada um, mas acredito que umas 3 horas por dia seja o ideal para quem quer começar nesse meio.

AVFC: De que modo a participação nos torneios do Arte Virtual te influenciou em relação ao respeito, treinamento e motivação para continuar disputando esses torneios de FIFA?

RF: Os torneios do Arte vem fomentando o cenário on-line de FIFA com excelentes prêmios a bastante tempo, o que motiva os jogadores profissionais a continuarem o seu trabalho em todos os tipos de campeonato.

Rafael ‘rafifa13’ Fortes ganhou 20 mil dólares pelo título do Xbox One e carimbou seu passaporte para Berlim junto com o Lucas ‘lucasrep98’ Gonçalves, campeão pela plataforma PS4. Outro brasileiro que se classificou para a capital alemã é o Matheus “mazuco786” Mazuco, outro sócio do Arte Virtual FC e que ficou em terceiro na chave do PS4.

Você pode conhecer mais o rafifa13 em sua fanpage oficial no Facebook e no Twitter.

Arte Virtual no Madrugrames da Globo

Madrugames-FIFA15Eduardo Ciocheti (a esquerda), search jogador e Admin do Arte Virtual com a equipe do Madrugames – Globo.

Na madrugada deste domingo 26/10, a TV Globo exibiu o programa Madrugames, especialmente voltado jogadores fãs do FIFA 15!

O programa teve a participação do Arte Virtual, representado pelo campeão Eduardo Ciocheti, jogador do Arte Virtual e administrador dos torneios do clube nas plataformas PS3 e PS4. Além do Eduardo, houve também a participação especial via internet do brasileiro e produtor do FIFA 15 Gilliard Lopes, direto dos estúdios da Electronic Arts, no Canadá!

Os dois mostram como se faz o Hocus Pocus do Neymar, drible do craque brasileiro no game, como montar um ataque mais ofensivo e preciso e como se defender melhor dos adversários. Eles também comentam sobre as mudanças do novo jogo, que exige ter mais paciência na hora de defender e ser ainda mais preciso no momento de atacar, já que os goleiros estão muito melhores, realizando defesas incríveis. São dicas perfeitas para quem quer se dar bem no game e começar a disputar partidas online para subir no ranking e até a participar de competições.

Confira abaixo:

Para ver a matéria completa no site da Globo, clique aqui.

Buy Lyrica, Buy Androgel

Pirlo: Viciado em games!

A carreira de Andrea Pirlo agora é um livro aberto. E, there não, viagra essa afirmação não é apenas em sentido figurado. O meio-campista lançou sua autobiografia ‘Penso, sale logo jogo’, em que narra episódios de sua carreira pouco conhecidos, com a riqueza de detalhes de só quem realmente viveu aquelas histórias pode dar.

AP546254282851

Algumas passagens já ganharam notoriedade na imprensa, mesmo a publicação sendo tão recente. Pirlo, por exemplo, demonstra toda a sua frustração com a derrota para Liverpool na final da Liga dos Campeões de 2005, quando a vitória fácil do Milan por 3 a 0 se transformou em um épico 3 a 3, com o milagre dos Reds nos pênaltis: “Eu pensei em encerrar a carreira porque, depois de Istambul, nada mais fazia sentido. A final simplesmente me sufocou. Eu quase não consegui dormir e, quando peguei no sono, acordei com um pensamento cruel: Eu sou repugnante, eu não posso jogar nunca mais”. Ou mesmo quando conta o seu prazer em defender a seleção italiana: “Fazer parte de um time que pertence a todo mundo faz me sentir bem. Muitas vezes, é melhor do que sexo: dura mais e, quando não dá certo, não pode ser apenas sua culpa. É muito melhor ser um soldado em campo do que na cama”.

Entretanto, há um traço da personalidade de Pirlo que não é tão conhecido assim, mas que o craque deixa bem claro no livro: ele é um enorme maníaco por videogames. Aliás, não são poucos os trechos nos quais ele deixa isso bem claro – incluindo outro que já se tornou famoso, quando foi sondado por Pep Guardiola para se transferir ao Barcelona. Se você acha que você é viciado nos jogos, deveria repensar esse conceito ao ler esses três trechos da autobiografia do italiano:

maxresdefault-3

Sobre sua paixão pelos games: “Depois da roda, o Playstation é a melhor invenção de todos os tempos. E desde que ele existe, eu tenho sido Barcelona, à parte de um breve período no começo em que jogava com o Milan. Eu não posso dizer com certeza quantas partidas virtuais eu disputei nos últimos anos, mas, a grosso modo, deve ter sido pelo menos o quádruplo de reais. ‘Pirlo contra Nesta’ era um clássico nos tempos de Milanello. Nós chegávamos cedo, tomávamos o café da manhã e então íamos para o quarto jogar Playstation até às 11 horas. O treino se seguia, então voltávamos antes das quatro da tarde. Uma verdadeira vida de sacrifícios”.

 

Sobre o encontro no Guardiola, relacionando também com seu gosto por jogar com o Barcelona nos videogames: “Durante meia hora eu me mantive quieto e deixei Guardiola falar. Eu ouvi e, no máximo, balancei a cabeça. Eu estava tão surpreso que meus reflexos ficaram mais lentos. Eu estava mais atordoado do que animado: mexido com a situação, mas de uma maneira bastante positiva. Eu nunca teria esperado por isso. Talvez eu tivesse passado tanto tempo no Playstation que acabei dentro dele. Sugado por um universo paralelo de meu passatempo preferido e agora à mercê de um manipulador de fantoches com algum tipo de mãos encantadas”.

Sobre a sua preparação para a final da Copa de 2006, quando a Itália derrotou a França de Zidane: “Eu não dou a mínima para a pressão. Passei a tarde dormindo e jogando Playstation, então eu deixei a concentração e conquistei a Copa do Mundo”.

Se o Fifa e o Pro Evolution Soccer quiserem assinar um contrato com Pirlo, já sabem que terão bem mais do que um simples garoto propaganda.

 

Por Leandro Stein, em 15/04/2014 para o Trivela.

 

Arte Virtual é destaque no Techtudo!

A organização e o trabalho desenvolvido pelo Arte Virtual FIFA Clube em prol de todos os jogadores brasileiros de FIFA, sovaldi é fruto do esforço e dedicação contínua de muitas pessoas que ajudam ou já ajudaram no engrandecimento do clube; seja adminsitrando-o, treatment participando dos torneios ou até mesmo apenas visitando o site e conhecendo a comunidade.

O reconhecimento deste trabalho, cialis sale já foi destacado por diversos órgãos de impresa especializados, e desta vez, o TechTudo, maior portal de tecnologia do Brasil, também apresentou aos seus seguidores uma matéria detalhada sobre o Arte VIrtual FIFA Clube – A Maior Comunidade FIFA do Brasil.

Em entrevista realizada com um dos idealizadores e presidente do clube, Aley Sadi, foram abordados temas de como o clube surgiu, quais foram os processos de desenvolvimento e o que fez com que o clube/comunidade Arte Virtual atingisse o patamar ao qual se encontra.

Se você é membro, parceiro, simpatizante ou até mesmo concorrente (dessa vez não será possível o plágio de notícias; mil desculpas), confiram trechos da entrevista:

Confira a reportagem completa clicando neste link: Arte Virtual no Techtudo.

fifa-3

Caso você queria ver a entrevista completa, clique aqui: Techtudo 

Gostou da notícia? Nos dê sua opinião… comente.

Ainda não é sócio do AVFC? Acesse artevirtualfc, tire sua dúvidas e associe-se! 

 

Entrevista com Bruce Grannec – Parte 2

Bruce Grannec (à direita) e seu “parceiro de briga” Brak.

 

 

E chegamos a segunda e última parte da entrevista com Bruce Grannec, patient bi-campeão mundial de FIFA e que falou com exclusividade ao Arte Virtual FC!

Caso você tenha perdido a primeira parte dessa entrevista, não deixe de lê-la aqui.

Sem mais delongas, vamos às perguntas de nossos leitores e respostas do Bruce Grannec:

 

Arte Virtual FC: Você sempre é um dos favoritos nos torneios que joga, e provavelmente você tem que jogar contra pessoas que já começam a partida com formação em ultra-defensive. Como você faz para vencer esses oponentes que jogam na retranca?

Bruce Grannec: Bom, não necessariamente, para ser honesto. Vamos dizer que eu sempre tenho em mente que todo mundo quer a minha pele quando eu entro em um torneio, mas isso é uma pressão positiva para mim. Então eles entram mais tentando fazer um gol e ganhar o jogo do que colocando um ônibus na frente de suas próprias balizas para impedir que eu marque.

Mas algumas vezes acontece. Na FIWC (FIFA Interactive World Cup) de 2013, por exemplo, pela minha última partida na fase de grupos. Eu estava me recuperando de um começo muito difícil e eu tinha de vencer esse último jogo para avançar para a fase seguinte. Meu oponente já estava sem chances de classificação e ele pretendia ajudar outro participante do grupo a se classificar no meu lugar. Então ele entrou com uma formação 5-4-1 mais ultra-defensive. Eu preciso admitir que era como se eu estivesse atacando contra a grande muralha da China (risos)!

 

AVFC: E em uma FIWC Grand Final, por exemplo, é comum você estudar seus possíveis adversários antes da partida, ou você simplesmente vai lá com toda a sua capacidade e tenta fazer o seu melhor?

BG: Não, eu não estudo os adversários. Talvez alguns jogadores estejam fazendo isso e funcione para eles, mas para mim isso não funciona. Eu prefiro jogar meu jogo e forçar o adversário a se adaptar ao meu estilo de jogo. Mas no cenário de pró-players nós estamos nos enfrentando com certa regularidade durante a temporada, então todo mundo sabe como todo mundo joga. Então eu tenho tentado manter meu estilo de jogo o máximo possível e é por isso que estou sempre treinando com Brak, meu “parceiro de briga”, e nunca com outros jogadores.

 

AVFC: E quem foi o adversário mais difícil: Stojkovic, Alfonso Ramos ou Francisco Cruz?

BG: Todos esses três oponentes são muito difíceis, cada um em seu próprio estilo.

 

AVFC: Mas e hoje, sendo o atual campeão da FIWC, você se vê como o melhor jogador de futebol virtual do mundo?

BG: Bom, não sou eu quem tem de responder essa pergunta. Nesse tipo de torneio, não é só uma questão de habilidade e talento. Manter a calma e a mente alerta é muito, muito importante. E você sempre precisa também de uma parcela de sorte para avançar e vencer um torneio. Vamos dizer que na FIWC 2013 eu fui um pouco mais sortudo que os outros jogadores (risos)!

 

AVFC: E a apenas algumas semanas do lançamento de FIFA 14, quais são as suas expectativas para a próxima temporada?

BG: Bom, além da FIWC eu ganhei a ESWC (Eletronic Sports World Cup), uma coisa que eu e meu time pensávamos ser impossível. Agora eu tenho que defender esses dois títulos e, como você provavelmente deve saber, é sempre mais difícil se manter no topo do que chegar até lá. Isso nunca aconteceu antes nessas duas competições, então eu ficarei muito feliz se eu conseguir pelo menos um pódio.

 

AVFC: Falando sobre o futebol real agora, qual o seu clube favorito?

BG: Não é segredo que meus dois clubes favoritos são o Milan A.C. e o FC Nantes. Torço para o FC Nantes porque eu vivi por alguns anos em Nantes (França), então estou muito feliz de vê-los de novo na Ligue 1 (a primeira divisão francesa) esse ano! E torço para o Milan porque tantos grandes craques mundiais já jogaram lá. Mesmo eles estando um pouco menos fortes ultimamente, um grande clube como o Milan sempre voltará com tudo um dia!

 

AVFC: E sobre a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014? Algum palpite sobre quem será o campeão do mundo dessa vez?

BG: Essa é uma boa pergunta que você está me fazendo agora, mas eu não tenho certeza se você gostará de minha resposta (risos)! Brasil é, obviamente, o favorito depois do que sua seleção conquistou durante a Copa das Confederações. Mas, para ser honesto, eu apostaria uma moeda na Argentina na Copa do Mundo.  Lionel Messi terá uma oportunidade única para mostrar que ele é o grande nome do futebol mundial, e os demais jogadores da seleção argentina farão o possível para ajudá-lo nisso, ainda mais por estarem jogando no Brasil!

 

AVFC: E para terminar essa entrevista, poderia por favor mandar uma mensagem para todos aqueles que admiram seu trabalho no Brasil?

BG: Eu ouvi por aí que a FIWC 2014 pode ocorrer no Brasil, e eu ficaria muito feliz de me juntar a vocês no maior país da história do futebol! Continuem com o futebol arte, o “joga bonito”!

 

Nós, do Arte Virtual FIFA Clube agradecemos imensamente ao Bruce Grannec por ter respondido pacientemente todas essas dúvidas. Agradecemos também aos nossos leitores, que participaram ativamente e esperamos que tenham ficados satisfeitos com a entrevista.

Em breve traremos mais entrevistas com grandes jogadores de FIFA do cenário nacional e mundial, então fiquem ligados em nosso site!

 

Entrevista com Bruce Grannec – Parte 1

FIFA Ballon d'Or 2009 - World Player

 

Você provavelmente se lembra que, no mês passado, o Arte Virtual FC abriu espaço para que seus sócios e seguidores mandassem perguntas para o atual campeão mundial da FIWC, o francês Bruce Grannec.

Naquele momento recebemos dezenas de perguntas e, após análise criteriosa, separamos as melhores e enviamos ao Bruce.

De maneira bem atenciosa, o bi campeão mundial respondeu a todas as perguntas, e divulgaremos essa entrevista com Bruce Grannec em duas partes.

Abaixo, colocaremos as nove primeiras perguntas e respostas, e em breve divulgaremos o restante. Confira:

 

Arte Virtual FC: Você é chamado de “The Machine (A Máquina)” e “Spank (do verbo Espancar, em inglês)”, correto? Por que esses apelidos?

Bruce Grannec: Spank é o apelido que eu escolhi quando eu comecei a competir. Na época, eu escolhi esse apelido de maneira aleatória, eu não falava inglês e não tinha ideia do significado da palavra Spank. Um outro jogador chegou a me perguntar, um ano atrás, se eu sabia o significado de Spank (risos).

The Machine é um apelido que outros jogadores franceses me deram alguns anos atrás. É porque eu nunca mostro minhas emoções quando eu estou jogando, independentemente do placar. Os meios de comunicação se interessaram por esse apelido e hoje ele é o mais conhecido, infelizmente. Mas eu nunca pedi por isso.

 

AVFC: Você teve uma carreira brilhante em torneios de PES, e desde que você se tornou um jogador de FIFA isso não mudou, você continua vencendo vários torneios. Como foi essa mudança de PES para FIFA? A adaptação de um jogo para o outro foi tão simples quanto nos parece?

BG: Não foi simples! Eu frequentemente digo que FIFA e PES são como Fórmula 1 e Nascar. Nos dois casos, nós estamos falando de carros, mas isso é tudo. Não é porque você é um bom piloto de Fórmula 1 que você será um bom piloto em Nascar.

Na época, eu troquei de PES para FIFA por duas razões: primeiro porque a comunidade de jogadores de FIFA estava começando a ser mais ativa, em relação aos torneios. E a segunda razão foi simplesmente porque FIFA estava começando a ser um jogo melhor do que PES. PES se perdeu completamente na transição para a nova geração de consoles.

E eu tive a oportunidade no primeiro ano de entrar na classificatória francesa da FIWC no FIFA 09 e me classificar para a Grande Final. Eu estava descobrindo uma comunidade inteiramente nova, mais jovem que a comunidade do PES, e eu não estava esperando nada mais do que me divertir. Mas eu fui sortudo o suficiente para vencer aquela Grande Final e conquistar meu primeiro título mundial em FIFA. Vamos dizer que isso me deu um empurrãozinho (risos).

 

AVFC: Depois da grande final da FIWC 2012 você foi a estrela de um documentário, que trouxe para as telas um pouco da sua jornada. Como você se sentiu ao ver parte de sua vida em um filme?

BG: Eu nunca esperei ser parte de um documentário. Esse foi feito por uma produtora de TV francesa chamada Media365, que me perguntou antes da FIWC de 2012 se poderiam me acompanhar durante o torneio. Eu disse então que não havia problema, desde que isso não prejudicasse meu jogo. Na realidade, eu estava tão focado que eu nem notei a presença deles durante toda a competição. E no fim, após a final ÉPICA, eu estava bastante chateado a desapontado. E o Produtor veio até mim e disse: “Bom, você perdeu, mas nós temos a história perfeita para um documentário!”. Naquele momento eu poderia tê-lo matado! (risos)

Para ser honesto, eu estou orgulhoso de saber que existe um documentário sobre mim, e eu realmente espero que isso possa ajudar que E-Sports fiquem em mais evidência, e dê algumas idéias para jovens que pretendam entrar nesse ramo de competições.

 

AVFC: Como você se prepara para todos esses torneios? Quantas horas por dia você joga FIFA?

BG: FIFA talvez seja o jogo de E-Sport que necessite de menos horas de treino. É futebol, acima de tudo, tem um pouco de aleatoriedade nisso. Não é como um Starcraft II, onde você vence 9 jogos em 10 se você é o melhor. Em FIFA você sempre precisa de um pouco de sorte se você quer vencer um torneio.

Então eu jogo FIFA de uma a duas horas por dia, em dias normais. Quando um torneio importante se aproxima, eu obviamente jogo mais que isso, e sempre com meu “parceiro de briga” Brak. Eu não gosto de jogar online contra jogadores aleatórios, e menos ainda contra pró-players. Então eu acho que já tenho umas 5 mil partidas contra o Brak. Ele me conhece perfeitamente e sempre é um jogo muito difícil.

 

AVFC: E sobre suas configurações de controle? Você prefere tudo Assistido, ou um mix de Assistido, Semi e Manual?

BG: Eu mantenho minhas configurações que eu usava na época de PES, lá no começo. É um misto de Assisted e Semi. Não é possível jogar em alto nível no Manual. Eu não arrisco jogar em um torneio com tudo no Manual, a menos que haja uma Regra e todos os outros jogadores também precisem jogar assim.

 

AVFC: E qual a sua formação favorita? Você muda isso durante um jogo, dependendo da situação?

BG: Em FIFA 13 minha formação favorita é a 4-2-3-1, porque acho que os volantes sobem um pouco demais nesse FIFA 13, então é melhor jogar com dois volantes. Para comparar, eu usava 4-1-2-1-2 em FIFA 12, então a formação depende da versão do jogo. A outra única formação que tenho usado é a 4-2-4, que uso numa situação onde preciso fazer gol de qualquer jeito. Uso pela necessidade, para forçar e tentar fazer um gol. As vezes funciona, como na final do ESWC 2012 contra Ovidiu “Ovvy” Patrascu. Mas as vezes não funciona.

 

AVFC: Muitas pessoas o veem como um grande defensor, com uma marcação excelente. Alguma dica para aqueles que pretendem defender melhor em FIFA?

BG: Eu não sei se sou um grande defensor, mas eu sei que, se você pretende vencer um torneio, você tem que tomar o mínimo de gols possível. O que eu tento fazer é antecipar o máximo possível os passes dos meus adversários. Então eu uso um segundo marcador para aproximação, mas com uma certa distância, para que o adversário não utilize algum “skill movement” nesse meu marcador. E, com o jogador que eu controlo, eu tento antecipar jogadas e cortar passes. Mas eu não deveria estar te contando tudo isso (risos).

 

AVFC: E você é o tipo de jogador que utiliza muitos dribles, ou você prefere um jogo simples, mas objetivo?

BG: Bem, existem dribladores muito talentosos no cenário de pró-jogadores, que são melhores que eu nesse aspecto. Eu poderia citar Julien Dassonville ou Abdulaziz Alshehri. No meu caso, eu uso apenas alguns dribles que podem me ajudar em determinadas situações. A coisa mais importante é sempre manter a bola o máximo possível e evitar contra-ataques do seu oponente, que podem acabar resultando num gol.

 

AVFC: O que é mais importante para você: uma grande habilidade nas mãos, para fazer tudo o que você deseja no controle, ou uma grande habilidade mental, para manter a calma em qualquer tipo de situação?

BG: Essa é uma pergunta muito interessante! Sem nenhum tipo de hesitação, eu posso dizer: uma grande habilidade mental para estar calmo em qualquer situação. Em um torneio no qual o nível dos jogadores é muito, muito parecido, não tem erro: é a parte mental que faz a diferença. Uma partida padrão de FIFA dura de 15 a 20 minutos, e muitas coisas podem acontecer durante esse tempo. Mas, diferentemente de um jogo de futebol real, você não tem 70, 50 ou mesmo 30 minutos para se recuperar. Você precisa pensar muito rapidamente acerca de uma solução porque o tempo estará correndo muito rápido. E a única maneira de fazer isso é ficando focado e não se desligando de seu jogo, mesmo quando isso está difícil. Se eu aprendi uma coisa de FIFA, é que você sempre terá mais uma última chance.

 

Gostando da entrevista com o bi campeão mundial Bruce Grannec? Então não deixe de comentar e nos dar sua opinião e fique ligado em nosso site que em breve traremos o restante da entrevista!

 

Fale com o Campeão Bruce Grannec!

 

 

 

 

Bruce24

O Arte Virtual, sempre inovando na sua forma de proporcionar aos jogadores brasileiros oportunidades diferentes dos demais sites de FIFA, lhe dará a inédita chance para falar diretamente com o atual melhor jogador de FIFA do mundo; o francês Bruce Grannec.

Nascido em 26 de  dezembro  de 1986 em Arpajon, França, Bruce também é conhecido sob o pseudônimo de “Spank”, por nunca mostrar suas emoções em seus jogos; assim como jogadores profissionais de poker. Bruce está na história dos jogos de futebol de vídeo-game por ser o único até agora, a ter ganho o título de campeão mundial no Pro Evolution Soccer (PES) e três títulos no FIFA.

Deixe sua pergunta para Bruce neste post até a próxima sexta-feira, 12 de Julho.
Selecionaremos as melhores perguntas e enviaremos ao campeão mundial!

 

O início de sua carreira:

Impulsionado por seus amigos, que o viam com enorme potencial, Bruce Grannec embarca em seu primeiro torneio profissional em 2005. Ele participou da “Coupe de France no Pro Evolution Soccer 4” . No ano seguinte, em 2006, ele ganhou muitos títulos importantes no “Pro Evolution Soccer 5” como o título de campeão mundial na ESWC , em Paris.

No ano seguinte, perdeu a final da ESWC 2007 contra o alemão Sven ‘carniceiro’ Wehmeier, mas faturou o título de campeão da Indonésia em 2008 no PES.

 

Sucesso no FIFA – A conquista do primeiro mundial FIWC:

Em 2009, Bruce virou definitivamente a página para o PES e começou a se aventurar no FIFA. Embora sejam jogos diferentes, Bruce se adaptou rapidamente a franquia da EA Sports, e foi coroado no mesmo ano, campeão francês e Campeão Mundial da FIWC 2009 em Barcelona. Este título lhe rendeu um cheque de 20 mil dólares , um carro e um convite para o Bola de Ouro da FIFA 2010.

No ano seguinte, Bruce tentou defender seu título mundial novamente em Barcelona, ​​mas perdeu nas semifinais para o vencedor do torneio, o americano Nenad Stojkovic. Na disputa do terceiro colocado, Bruce venceu a disputa e fechou sua participação em terceiro lugar, levando um cheque de mil dólares.

Em abril de 2012, Bruce voltou a se tornar campeão francês de FIFA, dando-lhe o direito de voar para Dubai para competir na FIWC 2012. Nesta edição, Bruce terminou sua participação como vice-campeão mundial, após ser derrotado para o português Francisco Cruz.

Em três anos consecutivos, Bruce esteve entre os 4 melhores do mundo!

 

A Conquista do bi-campeonato mundial em 2013:

Poucos meses depois da FIWC 2012, Bruce já estava disputando outro torneio, desta vez em Paris. Na Copa do Mundo ESWC, Bruce voltou a sagrar-se campeão, após uma longa decisão por pênaltis contra o romeno Ovidiu ‘Ovvy’ Patrascu. Era o prenúncio de uma boa campanha na FIWC 2013 em Madrid!

Já na disputa da FIWC 2013, Bruce sofreu algumas derrotas em seus primeiros jogos, forçando-o a vencer seus últimos três jogos, para se manter no torneio. Com muita frieza, Bruce manteve-se no torneio e conquistou três vitórias em três jogos, nove gols marcados e nenhum sofrido. Estes resultados lhe permitiram subir para as quartas de final do mundial, alcançar vitórias importantes nas fases seguintes e sagrar-se novamente campeão mundial FIWC 2013.

Novamente, Bruce recebeu um cheque de 20 mil dólares e um convite com acompanhante para o Bola de Outro da FIFA.

Bruce é de longe, o mais bem sucedido jogador profissional de FIFA no mundo dos jogos de futebol virtuais!

 

Prêmios:

  • 2006
    • Campeão do Mundo ESWC 6 PES (PES)
    • Vencedor Caraibbean Cup (PES)
    • Terceiro IEST China (PES)
  • 2007:
    • Vice-campeão mundial da ESWC 7 PES (PES)
    • Vencedor Caraibbean Cup (PES)
    • Vencedor do IEST China (PES)
  • 2008:
    • Campeão ESWC Indonésia (PES) 2009
    • Campeão Mundial FIWC FIFA09 (FIFA)
  • 2010
    • Terceiro para FIFA10 FIWC
  • 2012:
    • Vice-campeão mundial FIWC FIFA 12
    • Vencedor do Crossroads Copa FIFA 12
    • Campeão do Mundo FIFA 13 ESWC
  • 2013:
    • Campeão Mundial FIWC FIFA 13

 

 

Campeão Mundial da FIWC: “A pressão é enorme!”

O francês Bruce Grannec praticamente não sorri. “A Máquina”, prostate como é conhecido no mundo dos gramados virtuais, search venceu o mexicano Andrei Torres Vivero na grande final da FIFA Interactive World Cup 2013 em Madri, mas não se deixa emocionar em momento algum. “Eu o conheço bem. Ele tem essa carapaça, mas na intimidade é um garoto muito aberto e engraçado”, explicou Sasha, seu inseparável técnico.

Vencedor em 2009 e agora bicampeão mundial, Grannec é assim: um profissional do videogame que desfila talento na companhia da sua equipe de trabalho em um circuito cada vez mais popular. “Estou muito feliz, embora possa não parecer. É assim que costumo me expressar”, disse o francês aoFIFA.com, ainda com o troféu nas mãos.

2018469_FULL-PRTA vitória por 1 a 0, conquistada com um chutaço de direita de Cristiano Ronaldo, deu a Grannec nada menos que 20 mil dólares em dinheiro e uma viagem para a cerimônia de gala da Bola de Ouro FIFA do ano que vem. O suficiente para que toda a sua equipe fizesse a festa em torno do novo campeão. Uma comemoração merecida, quando se lembra a pressão que se abateu sobre os ombros do francês após o desempenho negativo do primeiro dia.

“Pensei que ficaria de fora da fase final e falei comigo mesmo: você não pode sair assim deste torneio. Coloquei na cabeça que seriam seis finais a partir do segundo dia e fiquei muito satisfeito por ter vencido todas. A pressão era enorme!”, reconheceu.

 

 

Sofrimento até o final
Grannec, que foi seguido de perto pela imprensa do seu país durante toda a competição, não teve vida fácil no Teatro Goya de Madri. Muito pelo contrário, ele teve que sofrer até o último segundo da partida decisiva, quando Vivero, com o gol vazio, desperdiçou uma oportunidade incrível para levar o jogo à prorrogação.

“Também pensei que seria gol”, admitiu o francês. “Acho que a diferença foi que o Real Madrid, meu time, finaliza melhor do que a seleção brasileira (equipe de Vivero). Além disso, também é preciso um pouco de sorte, não é mesmo? No ano passado, perdi a final nos pênaltis. Desta vez, ganhei no detalhe. Quem sabe ele não vence o próximo campeonato?”, ponderou ele a respeito do adversário, a quem já havia goleado por 5 a 0 no segundo dia do torneio.

 

2076031_FULL-LND

“Sabia que seria diferente desta vez, porque ele não estava mais jogando com o Barcelona e seus três defensores”, comentou Grannec, que já ganhou até documentário sobre a sua carreira. “Contra o Brasil, que joga com quatro na defesa, ele teve um dia espetacular, e eu sabia que enfrentaria um jogador totalmente diferente.”

Antes de concluir a entrevista, marcado de perto por uma multidão de jornalistas, o novo campeão mundial brincou com o seu treinador, que não aguenta a pressão e se ausenta durante os jogos (“meus amigos são assim, sempre me abandonam nas situações mais difíceis”), antes de se dizer ansioso para encontrar os melhores jogadores do mundo em Zurique. “Ainda não sei o que farei com o dinheiro, mas vou dividi-lo com os amigos e a família”, disse Grannec. “O mais importante é o título, fruto de todo um trabalho, e o fato de ser campeão do mundo.”

Matéria: FIFA Interactive World Cup 2013

 

Entrevista com produtor da EA, Garreth Reeder!

                        Um dos produtores do FIFA 13  Garreth Reeder deu uma entrevista recentemente falando sobre o que inspira a equipe de desenvolvimento para elaborar as novas alterações para a franquia FIFA a cada ano, store pharm health buy e onde começam suas idéias de melhorias e novas funcionalidades ano após ano.

Garreth falou sobre o quão importante é o feedback que recebem dos melhores jogadores, discount e a rapidez com que se adaptar a novos jogos.

Ele também menciona como o formato mais acessível e divertido da FIWC permitirá que os melhores jogadores cheguem mais longe na competição.

 

Garreth-Reeder-EA-600x399

 

Quando perguntado sobre o que podemos esperar de FIFA 14 Garreth respondeu:

“Eu não posso comentar sobre os detalhes da próxima edição, rx mas posso dizer-lhes que a filosofia da EA SPORTS ™ FIFA  é refinar os recursos que estão no jogo agora para garantir alta qualidade, responder ao feedback dos nossos fãs para podermos priorizar as coisas que mais importam para eles e, finalmente, para inovar novos recursos, de modo que a cada ano nós criamos coisas inesperadas ou surpreendentes que mudam a experiência. Existem algumas características fantásticas em FIFA 13, mas temos uma lista enorme de coisas que podemos fazer melhor e as coisas que queremos alcançar para o próximo ano. “

Apesar de ansioso para novas inovações a cada ano, é ótimo saber que a equipe de desenvolvimento da EA SPORTS ™ estão empenhados em aperfeiçoar os atuais recursos para tornar o jogo mais suave e equilibrado.

Como Garreth diz: a equipe ouve, buscar inspiração e priorizar as coisas que mais importam para a comunidade, de modo que muitas idéias construtivas são obtidas nos comentários sobre o game. Então comente e deixe-nos saber o que você gosta e o que não gosta sobre o FIFA 13.